Skip to content

O Círculo

Empowering Communities

Category Archives: Ecologia

As emissões de dióxido de carbono (CO2) de 2009 não baixaram tanto quanto o inicialmente previsto, apesar da crise financeira internacional, de acordo com um estudo de duas universidades britânicas.

Num artigo publicado este domingo na revista Nature Geoscience, os autores das universidades de Exeter e de East Anglia concluem que, apesar da crise financeira que começou em 2008, no ano passado “as emissões globais de CO2, da queima de combustíveis fósseis, ficaram apenas 1,3 por cento abaixo dos valores de 2008. Isto é menos de metade da diminuição prevista há um ano”, ou seja, 2,8 por cento.

Ainda assim, a crise financeira global teve influência nas emissões poluentes. Nas economias ocidentais levou mesmo a reduções, nomeadamente no Reino Unido, onde as emissões foram 8,6 por cento inferiores em 2009 do que em 2008. Números semelhantes foram registados nos Estados Unidos, Japão, França e Alemanha.

No entanto, as economias emergentes registaram uma forte actividade económica e aumentos substanciais de emissões. Por exemplo, a China teve um aumento de oito por cento e a Índia de 6,2 por cento.

O estudo das duas universidades prevê que, se o crescimento económico se mantiver, as emissões globais da queima de combustíveis fósseis vão aumentar mais de três por cento em 2010.

Os autores do estudo concluíram ainda que as emissões de CO2, causadas pela desflorestação, diminuíram 25 por cento desde 2000, quando comparadas com os anos 90. “Pela primeira vez, a expansão das florestas nas latitudes temperadas compensou as emissões causadas pela desflorestação”, comentou Corinne Le Quéré, da Universidade de East Anglia e do British Antarctic Survey e autora do estudo. A situação deve-se ainda à redução nas taxas de desflorestação nos trópicos, nomeadamente na Amazónia brasileira e na Indonésia, lembram.

 

Fonte: Público

Cerca de 60 municípios estão já associados à Semana Nacional da Reflorestação, uma iniciativa promovida por um movimento cívico que decorre entre os dias 23 e 28 e promete plantar pelo país milhares de árvores, cidadania e sustentabilidade.

Segundo Hélio Lopes, da coordenação nacional do movimento sem fins lucrativos “Plantar Portugal”, o objectivo é distribuir mais de 100 mil árvores por vários tipos de espaços, como áreas florestais (alguma atingidas por incêndios), baldios, zonas ribeirinhas, parques, jardins ou escolas.

De forma simbólica, a semana arranca no Dia da Floresta Mediterrânica com a plantação de uma árvore autóctone no centro geodésico de Portugal, no concelho de Vila do Rei, para se espalhar depois ao restante território continental e às ilhas.

Um pouco por todo o país, equipas concelhias vão orientar os voluntários, que podem conhecer o projecto na Internet (www.plantarportugal.org).

Hélio Lopes explicou que nesta primeira edição a obtenção de árvores está a ser feita a nível municipal, mas sublinhou que a organização está a fazer contactos para que no próximo ano seja possível oferecer as espécies às equipas concelhias, através de patrocínios, associações e outras parcerias.

Isto porque, tal como anunciado pelo movimento, a ideia é instituir um evento que se repita e contribua, a longo prazo, para promover o equilíbrio dos ecossistemas e alterar comportamentos que comprometam o ambiente.

Para já, a iniciativa está a correr “plenamente dentro das expectativas”. “Para mim o movimento já vingou, porque já é uma realidade”, disse Hélio Lopes.

Entre os apoiantes da Semana Nacional da Reflorestação estão o Instituto de Conservação da Natureza e Biodiversidade, a Autoridade Florestal Nacional, a Associação Portuguesa de Arquitectos Paisagistas, a Associação Bandeira Azul da Europa e o movimento internacional “Let’s do it World”, que inspirou o já decorrido “Limpar Portugal” e iniciativas semelhantes noutros países.

A iniciativa inclui, além das plantações e actividades pedagógicas, um concurso nacional de fotografia e vídeo.

O “Plantar Portugal” arrancou oficialmente em Março, altura em que entregou o primeiro Prémio Árvore de Cristal ao arquitecto Gonçalo Ribeiro Telles.

Fonte: Público


A ALDEIA vai promover mais um curso de formação, nos dias 23 e 24 de Fevereiro de 2008 em Vimioso, o

  • Curso de Líquenes como Bioindicadores de Poluição Atmosférica

Sob a orientação dos Formadores

    • Sandrina Rodrigues – Departamento de Biologia da Universidade de Aveiro
    • Joana Mendonça Marques – Departamento de Botânica da Universidade do Porto
    • Pedro Pinho – Centro de Ecologia e Biologia Vegetal da Universidade de Lisboa
  • Vais conhecer a ecologia dos líquenes, estes seres vivos são utilizados para
    • o fabrico de antibióticos e antivirais
    • fazer perfumes
    • a culinária, e ainda
    • saber sobre a qualidade do ar que tu respiras!

Para saberes mais consulta o programa.

Nota importante:

As inscrições são até ao dia 14 de Fevereiro de 2008, podes consultar mais informações, sobre preços e efectuares a tua inscrição.

Estás interessado? Consulta também os alojamentos que estão ao teu dispor.

Participa!…inscreve-te já!

Para mais informações contacta:

ALDEIA
Apartado 29
5230-314 Vimioso
Tlm: 962255827/913043628
E-mail: aldeia.eventos@gmail.com

A associação portuguesa Animal iniciou hoje uma série de acções de protesto no Campo Pequeno, Lisboa, apelando ao boicote aos estabelecimentos e serviços da praça de touros e à proibição das touradas em Portugal.

«Ao boicotar o Campo Pequeno, estaremos a retirar o apoio financeiro fundamental que ainda mantém a realização de touradas nesta praça, cuja actividade se sustenta a partir das actividades comerciais não-tauromáquicas desenvolvidas na galeria comercial e no centro de espectáculos do Campo Pequeno», declarou à Lusa o presidente da associação Animal, Miguel Moutinho.

A partir de hoje, os activistas da Animal vão segurar faixas gigantes contra as touradas em frente à Galeria Comercial do Campo Pequeno, entre as 11 e as 16 horas de todas as quintas-feiras – dia em que se realizam as touradas -, em protesto contra a actividade tauromáquica, apelando ao boicote a todos os serviços da praça de touros de Lisboa.

Miguel Moutinho explicou que a associação pretende desta forma «aumentar a pressão de contestação sobre um dos últimos e já frágeis bastiões da tauromaquia em Portugal, apelando, de forma constante, directa e local, todas as semanas, às pessoas que passem na zona que não visitem qualquer estabelecimento da Praça de Touros Campo Pequeno».

«Após a reinauguração do Campo Pequeno em 2006, a praça só consegue ter uma tourada por semana durante a época tauromáquica, o que mostra que já nem sequer há público suficiente e que a sociedade Campo Pequeno teve de munir esta estrutura de outros serviços e funcionalidades para ir buscar receitas que mantenham as touradas, mesmo que com prejuízo», acrescentou.

Estas acções de protesto estão incluídas na campanha desenvolvida pela associação «Manifesto ANIMAL, Pelo Fim dos Crimes Sem Castigo», no contexto da qual está a apresentar à Assembleia da República uma proposta para um Código de Protecção dos Animais.

«A nova lei de protecção dos animais em Portugal é urgentemente necessária e deve incorporar a proibição da tortura absolutamente vergonhosa de animais que acontece nas corridas de touros», afirmou Miguel Moutinho.

Os activistas da Animal pedirão assim, semanalmente, aos transeuntes que assinem a petição «Por um Código de Protecção dos Animais Moderno, Eficaz, Progressista e Justo» que será entregue em 2008 ao Presidente da Assembleia da República.

Um inquérito nacional sobre «Valores e Atitudes face à protecção dos Animais em Portugal», promovido pela CIES/ISCTE/Metris e divulgado em Setembro passado pela associação Animal, revelou que a maioria dos 1.064 inquiridos defende mais protecção legal para os animais.

Segundo Miguel Moutinho, o inquérito revelou que «a maioria absoluta dos portugueses quer que a Assembleia da República proíba as touradas em todo o país (50,5 por cento) e que os municípios de todo o país tornem as cidades e vilas que administram cidades e vilas anti-touradas, onde a realização de touradas não seja autorizada pelas respectivas câmaras municipais (52,4 por cento)».

Já conforme o Relatório de Actividade Tauromáquica de 2006, publicado pela Inspecção Geral das Actividades Culturais (IGAC), a Praça de Touros do Campo Pequeno (juntamente com a emissão de touradas na RTP e na TVI) é “um dos últimos três focos de resistência ao forte declínio económico e social que a indústria tauromáquica está a ter em Portugal”, explicou à Lusa o responsável.

Durante o mês de Dezembro, entre outras acções que levará a cabo, e além das acções semanais anti-touradas frente ao Campo Pequeno, a Animal realizará, em Lisboa e no Porto, uma sucessão de acções de protesto frente a circos com animais e a lojas onde é comercializado pêlo de animais.

Estas iniciativas desenvolvem-se também no contexto da Campanha «Manifesto ANIMAL», que reclama na sua proposta para um Código de Protecção dos Animais em Portugal, a proibição da manutenção e uso de animais em circos e a proibição da criação e morte de animais para extracção e uso do seu pêlo e da produção e comércio de artigos com pêlo de animais.

LUSA/SOL

Um estudo que abrangeu 50 mil centrais de produção eléctrica do mundo mostrou que os países desenvolvidos produzem maiores emissões de dióxido de carbono per capita do que aqueles cujas economias são emergentes. Neste contexto, os australianos foram considerados os maiores poluidores do mundo por pessoa, ao produzir cinco vezes a quantidade de carbono gerada na China. Os dados foram recolhidos pela Carbon Monitoring for Action (Carma) e compilados pelo Center for Global Development.

Os Estados Unidos ocupam o segundo lugar da lista, com oito toneladas de carbono per capita, dezasseis vezes mais que a quantidade produzida na Índia. Além disso, os Estados Unidos encabeçam a lista da produção de carbono total, com 2,5 milhões de toneladas, ficando a China na segunda posição, com 2,4 milhões de toneladas.

O terceiro lugar de inimigo do ambiente, na produção total de carbono, é da Rússia, seguida da Índia, Japão, Alemanha, Austrália, África do Sul, Reino Unido e Coreia do Sul.

Apesar da China ser o segundo país mais poluidor no total, o facto de ter cerca de 1,3 mil milhões de habitantes faz com que a sua média per capita não se destaque. Pelo contrário, a Austrália, com uma população de aproximadamente 20 milhões de pessoas lidera a lista por cabeça de emissões – 10 toneladas per capita -, com números cinco vezes superiores aos dos chineses. O segundo lugar pertence aos Estados Unidos (8,2 toneladas per capita), o terceiro ao Reino Unido (3,2 toneladas per capita), seguido pela China (1,8 toneladas per capita) e pela Índia (0,5 toneladas per capita).

Em declarações à BBC, Kevin Ummel, investigador do Center for Global Development, espera que os dados publicados online incentivem os diversos países a reduzirem o seu impacto no ambiente. “A experiência com as pessoas no que diz respeito às questões ambientais mostrou que oferecendo-lhes informação de que não dispunham, assim como aos mercados, traz sempre melhorias na qualidade ambiental”, explicou o investigador.

Ummel acrescentou, ainda, que os dados das centrais foram fornecidos por fontes oficiais dos Estados Unidos, Canadá, Europa e Índia. Para aqueles que não tinham dados oficiais fizeram um modelo de cálculo que incluía, por exemplo, o tipo de combustíveis, tamanho e idade.

Fonte: Público

A maioria das pessoas está disposta a fazer sacrifícios pessoais, como por exemplo pagar combustíveis mais caros, com o objectivo de diminuir o impacto das alterações climáticas, concluiu uma sondagem realizada pela BBC abrangendo 22 mil pessoas em 21 países.

De acordo com esta sondagem, que não incluiu Portugal, 83% das pessoas inquiridas estão prontas a mudar o seu estilo de vida em prol do ambiente, mesmo nos EUA ou na China, os dois maiores emissores de dióxido de carbono. “Em todo o mundo as pessoas reconhecem que a alteração climática exige uma alteração de hábitos”, explica Steve Kull, director do Programa sobre Atitudes de Política Internacional que, em conjunto com a GlobeScan, realizou a sondagem. “E para que essas mudanças ocorram é necessário que aumente o preço da energia mais poluente.” Ou seja, a energia que utiliza combustíveis fósseis, como o petróleo, a electricidade ou o gás natural. Os cientistas afirmam que as emissões de carbono derivadas dos combustíveis fósseis para gerar electricidade e alimentar o transporte provocaram uma subida na temperatura média global de 1,8o C a 40 C ao longo do último século, da qual resulta um maior número de inundações, fome e outras tragédias.

Talvez por isso, em 14 dos 21 países, 61% dos inquiridos apoiariam o aumento de impostos sobre o consumo de energia desde que tivessem a garantia de que o dinheiro seria usado para procurar novas fontes energéticas ou para aumentar a sua eficiência – e neste item, as respostas dos chineses foram as mais entusiastas.

Isto significa, diz Matt McGrath, especialista da BBC em ambiente, que na maioria dos países a população parece estar mais disposta a fazer grandes mudanças no seu estilo de vida do que os próprios Governos. Mais do que mudanças, as pessoas sabem que em alguns casos serão necessários verdadeiros sacrifícios. Por exemplo, nos EUA e em quase todos os países da Europa, a população aceita o facto de que o preço dos combustíveis que poluem o ambiente terá de aumentar. As únicas excepções são a Itália e a Rússia, onde um número significativo de pessoas ainda acredita que não será preciso aumentar o preço da energia.

Os contribuintes também parecem favoráveis a um aumentos das “ecotaxas”, desde que outros impostos diminuam e, portanto, isso não implique um aumento substancial daquilo que têm de pagar. “Poucos cidadãos querem que os seus impostos aumentem, mas esta sondagem mostra que a população está aberta a que os chefes de Governo introduzam um imposto de carbono sobre a energia”, declarou o director da GlobeScan, Doug Miller.

Fonte: DN

O concelho algarvio de Lagos foi hoje declarado Zona Livre de cultivo de milho geneticamente modificado (OGM), fazendo de Portugal o primeiro país da União Europeia a regulamentar uma zona livre de milho trangénico, escreve a Lusa.

O Despacho nº 25306 do director Regional de Agricultura e Pescas do Algarve, hoje publicado em Diário da República, aplica-se a todo o concelho de Lagos.

Uma nota do Ministério da Agricultura refere que aquele município «cumpriu todos os procedimentos legais» para o estabelecimento da Zona Livre de OGM, tendo sido o processo acompanhado pela Direcção Regional de Agricultura do Algarve.

A Zona Livre do cultivo de milho geneticamente modificado foi requerida pela Assembleia Municipal de Lagos, depois de ouvir todas as associações representativas dos agricultores do concelho, que não se opuseram à sua criação.

De acordo com a nota do Ministério da Agricultura, Portugal é o primeiro país da União Europeia a regulamentar uma Zona Livre de OGM com base na legislação nacional e comunitária, «ao contrário dos que apenas se sustentam em meras declarações de intenção ou em normas incompatíveis com o direito comunitário».

Refere ainda que o facto de ter sido estabelecida esta Zona Livre de OGM constitui «um importante marco na política de isenção que o Governo definiu relativamente aos Organismos Geneticamente Modificados».

Segundo o Ministério da Agricultura, as regras em vigor permitem aos municípios e aos agricultores optar pelo cultivo de OGM’s em coexistência com a agricultura convencional, a biológica ou a produção integrada, ou opondo-se ao seu cultivo.

Fonte: PD

%d bloggers like this: