Skip to content

O Círculo

Empowering Communities

Os bonecos animados para a tela de cinema voltaram a Espinho. Os amantes da sétima arte contam a partir de hoje e até domingo, dia 11 de Novembro, com a 31ª edição do Cinanima (Festival Internacional de Cinema de Animação). Este ano há dois filmes portugueses entre a lista dos 63 candidatos aos prémios da competição internacional: “Cândido”, de Zepe, e “Cães Marinheiros” de Joana Toste. No total, são 95 filmes a concurso de 56 países.

António Gaio, director do festival desde 1981, garantiu que “o Cinanima continua jovem e é uma oportunidade única para os mais novos contactarem com outros profissionais do cinema de animação e de divulgarem os seus trabalhos”.

A certame deste ano contará com a tradicional secção Panorama, onde serão mostrados filmes internacionais não seleccionados.

António Gaio destacou uma mostra feita a duas mãos pela Galiza e Portugal, onde se inclui um filme baseado na história para crianças de José Saramago, intitulada “A árvore mais grande do mundo”, que conta com uma animação da caricatura do escritor português.

Os japoneses e os suíços estarão também no centro do programa, pela qualidade das escolas de animação de ambos: o centro de imagem animada e audiovisual japonês Open Art e escola suíça HGK Lucerne Animation Scholl.

Homenagem a Álvaro Patrício
Nesta 31ª edição o criador Álvaro Patrício será homenageado “na qualidade de veterano por se ter destacado no campo da animação, em especial no trabalho que desenvolveu na RTP”, como explicou o director do Cinanima. Nesse sentido, foi hoje inaugurada uma exposição retrospectiva da carreira de Patrício.

Tal como nos outros anos, a animação portuguesa concentra-se no Prémio António Gaio (sábado às 16h00) e Prémio Jovem Cineasta (quinta-feira às 18h00), aos quais concorreram, respectivamente, 12 e nove filmes.

Os júris que vão decidir os prémios nestas secções são formados pelos realizadores Ferran Gallart (Espanha) e Armando Servais Trigo (Portugal), pelo produtor António Costa Valente (Prémio António Gaio), pelos cineastas e animadores Pedro Brito e Afonso Cruz e pela assistente de produção Júlia Rocha (Prémio Jovem Cineasta).

Os realizadores Regina Pessoa, Ferenc Rofusz (Hungria) e Vera Neubauer (Reino Unido), o professor Otto Alder (Alemanha) e o jornalista e poeta Manuel António Pina decidirão os prémios da competição internacional, enquanto os cineastas José Fonseca e Costa, Nuno Amorim e o espanhol Óscar de Santillana (director da Ars Animación) escolherão as melhores longas-metragens, este ano representadas em Espinho por cinco produções, uma quantidade pouco usual no festival: “El Arca”, de Juan Pablo Buscarini (Argentina); “Le Tueur de Montmartre”, de Borislav Sajtinac (França); “Prince Vladimir”, de Yuri Kulakov (Rússia); “De Profundis”, de Miguelanxo Prado (Espanha); e “One Night in one City”, de Jan Balej (República Checa).

O Cinanima deste ano mostra ainda uma selecção de trabalhos do nova-iorquino John R. Dilworth (n. 1963), o autor do divertido “The Chicken from Outer Space” (1995), um filme que retoma a tradição da animação e do “cartoon” clássicos.

Para além da secção competitiva internacional, o festival contempla ainda uma série de actividades que vão desde a organização de “workshops”, debates, exposições, passeios turísticos, sessões especiais e retrospectivas.

Fonte: Público

Advertisements

%d bloggers like this: