Skip to content

O Círculo

Empowering Communities

Em Portugal, apenas nos primeiros oito meses deste ano, foram atropeladas mais de 16 pessoas por dia. Os registos da Autoridade Nacional da Segurança Rodoviária referem a existência de cerca de 4000 atropelamentos no período em questão, havendo a registar 74 vítimas mortais e mais de 390 feridos graves – os levantamentos internacionais referentes a feridos graves de acidentes de viação apontam para o falecimento posterior de cerca de 25 por cento das pessoas.

Os dados da sinistralidade rodoviá-ria nacional (relativamente ao ano passado) referem ainda que mais de 13 por cento das vítimas mortais eram peões. Em 2006, dos 850 mortos nas estradas portuguesas, 137 circulavam a pé. Estima-se que cerca de 60 por cento destes tenham sido colhidos nas principais cidades do país, com especial incidência em Lisboa e, sobretudo, em passadeiras. A maioria das vítimas tinha mais de 65 anos.

“Lisboa é a capital da insegurança”, refere Manuel João Ramos, membro da Associação de Cidadãos Auto-Mobilizados (ACA-M) e um dos principais contestatários do departamento de tráfego da câmara lisboeta. “A lei das acessibilidades não é cumprida. Como não é cumprida a directiva europeia de 1998 que prevê a realização de auditorias rodoviárias”, diz.

Manuel João Ramos entende que “os engenheiros não fazem ideia de como devem lidar com os peões, até porque em Portugal não existem livros de normas nem de boas práticas”, e explica a seguir que, caso houvesse sensibilidade suficiente das autoridades que regulamentam o tráfego, não existiriam situações como as que se verificam em Lisboa, onde o tempo de abertura de um semáforo para peões lhe permite andar apenas 40 centímetros por segundo.

“Normalmente, a distância a percorrer deverá cifrar-se entre os 80 centímetros e um metro”, afirma. O tempo (reduzido) de abertura dos semáforos prejudica “todos os cidadãos de menor mobilidade”, diz ainda, lembrando que a maior parte dos peões atropelados em Portugal são idosos ou crianças. Em Lisboa, a cidade do país com maior número de pessoas atropeladas, cerca de 30 por cento da população tem mais de 65 anos de idade. A maior parte dos atropelamentos ocorre nas vias mais movimentadas, como sejam as áreas do Campo Grande e da Avenida de 24 de Julho.

Fonte: Público

Advertisements

%d bloggers like this: