Skip to content

O Círculo

Empowering Communities

A espécie humana corre o risco de se dividir em duas subespécies dentro de cem mil anos. Esta possibilidade foi avançada pelo especialista em evolução Oliver Curry, do Centro de Investigação de Darwin da London School of Economics.

As duas subespécies vão dar origem a uma classe superior e uma inferior. Para o investigador, a espécie humana vai atingir o seu pico no ano 3000. Mas depois vai entrar em declínio, devido à sua dependência da tecnologia. A partir deste ponto, o ser humano vai tornar-se mais exigente na escolha de um parceiro, causando uma divisão em duas espécies. Os descendentes da classe superior serão altos, magros, saudáveis, atraentes, inteligentes e criativos. Os descendentes da classe inferior serão baixos, feios e pouco inteligentes, uma espécie de goblins.

Até lá, os seres humanos vão medir entre 1,80 e 2,10 metros, enquanto a esperança média de vida vai prolongar-se até aos 120 anos. Os homens vão ter feições mais simétricas, o queixo mais quadrado, a voz mais profunda e o pénis maior, enquanto as mulheres vão ter menos penugem, olhos maiores e mais claros, cabelo brilhante e seios mais robustos.

No entanto, a dependência humana pela tecnologia terá as suas consequências. Oliver Curry acredita que, dentro de dez mil anos, o ser humano perderá as capacidades de comunicar e sentir. Sentimentos como o amor, simpatia, confiança ou respeito deixarão de existir. Os nosso hábitos alimentares também vão sofrer alterações. Vamos mastigar menos, pois os alimentos serão menos elaborados. Ficaremos com maxilares menos desenvolvidos e com queixos mais pequenos.

“Não podemos prever exactamente o que irá acontecer, mas podemos fazer previsões com base no conhecimento que temos da evolução”, disse Oliver Curry.

Fonte: DN

Advertisements

%d bloggers like this: