Skip to content

O Círculo

Empowering Communities

Paleontólogos norte-americanos encontraram pela primeira vez vestígios de penas no fóssil de um velociraptor, o dinossauro carnívoro conhecido pela sua velocidade e celebrizado no filme Parque Jurássico. O estudo é publicado hoje pela revista científica “Science” e reforça a ideia de que basicamente não há diferenças entre os dinossauros e as aves.

Os investigadores do Museu de História Natural americano estavam a estudar o fóssil de um velociraptor descoberto na Mongólia em 1998, com 99 centímetros de altura, 1,65 metros de comprimento e cerca de 13 quilos, um dos mais completos entre os cerca de 15 descobertos no mundo. Acabaram por encontrar marcas de raízes de penas, o que provou definitivamente a suspeita de que a espécie teria uma plumagem semelhante à das aves modernas.

“É a maior espécie conhecida com marcas evidentes de penas do tipo moderno, com cálamo e barbas”, disse Mark Norell, comissário da secção de paleontologia do museu .“Já suspeitávamos que o velociraptor tivesse penas, agora encontrámos um fóssil que o prova. Mas também prova que os grandes membros do grupo ao qual o pertence esta espécie tinham penas de tipo moderno”.

No entanto o velociraptor não voava, explicou ao PÚBLICO Mark Norell. “Para voar, um animal tem de ter asas muito mais largas do que o seu corpo e tudo indica que as penas do velociraptor seriam demasiado pequenas para suportar o voo deste dinossauro”.

Segundo os autores do estudo, embora a espécie tivesse perdido a capacidade de voo as asas seriam úteis para protecção dos ninhos, controlo da temperatura corporal e manobras durante as corridas.

“Se víssemos hoje um velociraptor acharíamos que era apenas uma ave de aparência estranha”, disse Mark Norell. Na realidade, concluem os investigadores, esta espécie de dinossauro tem muitas semelhanças com as aves actuais, com ossos ocos e uma cobertura de penas.

Fonte: Público

Advertisements

%d bloggers like this: