Skip to content

O Círculo

Empowering Communities

Meia centena de “ceifeiros” invadiram ontem uma herdade em Silves e destruíram um campo de milho transgénico. Os activistas do Movimento Verde Eufémia admitem realizar mais acções de desobediência civil para combater o cultivo de organismos geneticamente modificados (OGM). O hectare de milho destruído, dizem, foi apenas o “dano colateral” de uma acção destinada a lançar o alerta. Mas que assinala uma nova forma de combate ecológico, ainda inexistente em Portugal mas já praticada lá fora.

Em causa nesta acção está o que os activistas do recém criado movimento consideram ser a “salvaguarda do direito a um ambiente saudável”. E a destruição de 2% do campo da Herdade da Lameira uma forma de “estabelecer a ordem ecológica, moral e democrática que tem sido deteriorada pelas políticas europeias e do Governo”, explicou Gualter Baptista, porta-voz da acção.

A necessidade de intervir desta forma, acrescenta, acontece porque “as autoridades nacionais não respeitam a opinião e o direito dos cidadãos”. O Movimento Verde Eufémia considera que “a intervenção directa é, em parte, uma maneira de resolver o problema. Não o fazemos de ânimo leve e não temos nada contra o proprietário desta herdade”.

Apesar de na comunidade científica o tema dos OGM não ser pacífico, pois o desconhecimento dos perigos e vantagens é ainda grande, os activistas consideram que já há estudos que mostram claramente que a contaminação genética é inevitável e irreversível, causando danos no ambiente, na saúde pública e quebras no rendimento agrícola. Na dúvida, aposta-se na precaução, defendem.

A associação Quercus partilha as mesmas preocupações mas demarca-se deste tipo de acções. “Consideramos que o Governo não tem ouvido a opinião das associações de defesa do ambiente nem garantido a não contaminação da agricultura biológica e tradicional. Mas demarcamo-nos profundamente deste tipo de acções”, assegurou Hélder Spínola. O presidente da Quercus diz que em Portugal este é o primeiro protesto ecológico com danos directos. A Quercus lembra que no estrangeiro há acções que usam métodos bem mais violentos, como a destruição de fábricas. Mas considera que o extremar de posições não favorece o debate e o envolvimento da população na solução dos problemas ambientais. “Vale mais uma sociedade sensível e participativa do que três ecologistas activos.”

Em Portugal já houve acções radicais promovidas pela Greenpeace com colaboração nacional, como a que levou activistas a pendurarem-se na ponte de Leixões para evitar a entrada de barcos com madeira ilegal. Mas nunca com prejuízos directos, assegura a Quercus.

O Ministério da Agricultura considerou que a acção de protesto de ontem deve ser remetida para as autoridades policiais.

Fonte: DN

Advertisements

%d bloggers like this: