O relatório, concluído há quatro meses, chama a atenção para o facto de o sistema não proteger as faixas mais pobres da população, que continuam a pagar proporcionalmente mais pelos serviços, medicamentos e material terapêutico.