Skip to content

O Círculo

Empowering Communities

Uma equipa de cientistas norte-americanos que procurava conhecer o impacto dos icebergues que flutuam no mar de Weddell no ambiente marinho descobriu que estes blocos de gelo são “hotspots” ecológicos, que permitem às águas que os circundam absorver um volume maior de dióxido de carbono.

Segundo o resultado da investigação, que decorreu em Dezembro de 2005 e que foi publicado na revista online “Science Express”, os minerais libertados no degelo desencadeiam explosões de fitoplancton — plantas microscópicas que absorvem dióxido de carbono (CO2).

Devido ao sobreaquecimento do planeta, o número de icebergues nas águas em redor da Antártida tem aumento nas últimas décadas.

“Obtivemos uma imagem de satélite que abrangeu cerca de onze mil quilómetros quadrados” e que contou mil icebergues naquela área, explicou à BBC Ken Smith, oceanógrafo do Monterey Bay Aquarium Research Institute, na Califórnia.

A equipa focou as investigações em dois icebergues — um com dois quilómetros por meio quilómetro e outro com 21 quilómetros por cinco quilómetros.

Os cientistas recolheram amostras da água perto dos blocos de gelo, num raio de nove quilómetros, e encontraram um “enriquecimento substancial” de minerais, fitoplancton, krill e aves marinhas até aos 3,7 quilómetros de distância, em relação às áreas sem icebergues.

Smith disse que esta investigação será aprofundada no próximo ano. “Vamos voltar lá e ver até que ponto os icebergues mais pequenos são importantes e se também eles estão associados a um enriquecimento das águas que os envolvem”.

Fonte: Público

Advertisements

%d bloggers like this: